Modelo traz novidades e apresenta características que atraem os apaixonados por motos.

É fato. Milhões de brasileiros são verdadeiramente apaixonados por motocicletas, pois elas oferecem agilidade, economia e principalmente muita emoção.

E por falar em emoção, apresentaremos neste artigo uma motocicleta que oferece muita emoção, a Honda 160 Bros do ano de 2017.

Se você se encontra nesse grupo de apaixonados por motocicletas veja os detalhes da Bros 160 da Honda 2017.

A Bros 160 vem equipada com um painel digital que é uma das novidades deste ano. Com esse novo equipamento ficou fácil a visualização do velocímetro do hodômetro (parcial e total), marcador de combustível, farol e neutro, injeção eletrônica e luzes de pisca. Ou seja, com este novo painel o piloto fica por dentro de tudo que está acontecendo com a sua motocicleta.

Outro destaque na Bros é o seu farol, que possui um refletor multifocal que oferece à noite muito mais segurança aos ocupantes, pois a luminosidade é total, com um foco maior e dissipação de luz menor. Ideal para quem gosta de pegar a estrada em períodos noturnos.

E já falando de estrada, com essa motocicleta você poderá ir a todos os lugares que desejar sem nenhum tipo de problema ou aborrecimento, pois ela é equipada com um moderno sistema de suspensão dianteira do tipo telescópica que faz com que ela tenha uma grande capacidade para absorver impactos. Tudo isso ó é possível devido ao curso de 180mm, que oferece mais estabilidade e mais conforto nos mais diferentes tipos de terrenos.

São detalhes que fazem da Bros 160, a moto ideal para a estrada e para a cidade.

Com o motor OHC de 162 cc ela oferece um melhor desempenho de torque, além de baixa manutenção.

Econômica e menos poluente, pois em seu escapamento há um catalisador que garante que os níveis de emissão de gases que poluem sejam menos doo que o limite determinado pela lei.

Suas versões para 2017 são:

– Bros NRX 160 ESD: por R$ 9.350,00;

– Bros NRX 160 ESDD: por R$ 9.650,00;

Configuração 125 Bros:

– Bros KS 125: R$7.190,00;

– Bros ES 125: R$7.850,00

Configuração 150 Bros:

– Bross ES 150: R$9.050,00;

– Bross ESD: R$ 9.350,00.

Quem compra uma Honda Bross leva uma garantia de 3 anos, além de algumas manutenções gratuitas.

Conheça mias acesse o site da Honda.

Por Sirlene Montes

Honda 160 Bros 2017


Nova versão conta com um design mais imponente e agressivo.

A Harley-Davidson apresentou o seu novo modelo: a Street Rod 750, que tem como foco o uso nos centros urbanos, e que teve como base o modelo Street 750. A nova versão conta com um design mais imponente e agressivo. Além disso, o motor de 2 cilindros ficou cerca de 20% mais potente e também com 10% a mais de torque. Entre outros diferenciais, a Street – Rod conta com motorização High Output Revolution X V-Twin que tem 749 cm³ e também freios ABS de série.

A linha Street da marca é a que tem preços mais acessíveis para o consumidor, porém ainda não pode ser encontrada no País. Nos Estados Unidos, estima-se que a nova versão seja vendida por cerca de US$ 8.699,00.

Outra novidade apresentada pela marca é o novo modelo Roadster, que inclui combinações de recursos da linha premium como, por exemplo, freios dianteiros de disco duplo, suspensão traseira especial, além de braçadeira tripla robusta. Um dos diferenciais é o torque de baixa rotação que faz parte do modelo do motor Evolution V-Twin de 1200 cc, e o estilo único e inconfundível da marca que tem detalhes próprios como o guidão rebaixado, para-lama traseiro cortado, tampa no distribuidor com aletas e também a presença de protetores do escapamento preto com aberturas.

O modelo Street Bob destaca-se pelo desempenho devido à presença do chassi da Dyna, que é feito em estilo mais simples, despojado e hardcore e pela presença do motor V-Twin. A pilotagem é feita de forma muito segura, pois o chassi foi fabricado de forma extremamente rígida e, além disso, os componentes de suspensão e freios, também, fazem parte de uma categoria superior. Está versão destaca-se pela presença das rodas personalizadas de borracha premium, que foram criadas para proporcionar durabilidade, desempenho e emoção para o piloto.

O design poderoso faz parte do modelo Fat Bob, que conta com um exclusivo farol dianteiro e também lanterna traseira LED personalizada. A versão destaca-se também pelos pneus largos que foram montados em rodas de alumínio usinadas e pelo desempenho do motor Twin Cam 103 e freios a disco duplo, o que torna a pilotagem diferenciada e com muita emoção.

Por Babi

Harley-Davidson Street Rod 750


A empresa apresentou sua nova e renovada MT – 09, que ganhou aparências mais marcantes e furiosas do que o modelo antecedente.

A empresa Yamaha fundada por Genichi Kawakami em 1955 começou a produzir o seu primeiro protótipo em meados dos anos 1953, mas foi só em janeiro de 1955 que a produção foi iniciada e em fevereiro do mesmo ano que o primeiro modelo passou a ser comercializado.

Para mostrar aos admiradores de motocicletas o desempenho de suas criações a empresa teve a ideia de participar de corridas e foi no dia 1º de julho do ano de 1955 que a equipe subiu ao pódio em 3º lugar da corrida de subida do Monte Fuji e nas corridas subsequentes, garantiu em todas a primeira colocação quando então resolveu se destacar em corridas internacionais.

Com o passar dos anos e aumento das experiências, a Yamaha Motor passou a fabricar motores para automóveis, geradores e bombas de água. Porém, não deixaram para trás a linha de produção de suas motos.

E por isso a empresa acaba de apresentar sua nova e renovada MT – 09, que ganhou aparências mais marcantes e furiosas do que o modelo antecedente.

O painel de LCD já existente no modelo antigo permaneceu, porém, com uma localização mais favorável a visão do piloto. Os farois agora são duplos e de LED assim como a rabeta, que recebeu uma nova lanterna de LED.

Mas a mudança principal e mais atraente na nova Yamaha MT – 09 ficou por conta da dianteira toda modificada com base na supernaked MT-10.

As mudanças não pararam por aí, afinal não é só a estética um ponto importante para uma bela moto. A empresa também modificou a embreagem que agora evita o travamento da roda em reduções bruscas além de ter reduzido em 20% a carga para ser acionada, ficando mais leve e proporcionando mais conforto para o piloto.

Outra novidade importante é a mudança no sistema Quick Shift que zera a utilidade da embreagem na mudança das marchas.

Não houve mudanças no motor e nem no confortante amortecedor traseiro da Yamaha já conhecida.

Por Bruna Tabara dos Santos

Yamaha MT-09


As motos serão substitutas das versões ER – 6N e a Z800 e foram divulgadas na 74º edição do Salão de Motos de Milão, na Itália.

Desde 1973 que a empresa Kawasaki atua no Brasil fornecendo serviços e equipamentos para grandes indústrias aeroespaciais, navais, de construção, entre outras.

Após 35 anos, a empresa inaugurou sua primeira concessionária no Brasil, na região de São Paulo e depois de um ano notou-se que houve uma grande expansão da marca gerando confiança da empresa no país e então a mesma inaugurou em Manaus no dia de outubro de 2008 a primeira unidade produtiva da Kawasaki em território Latino – Americano.

A marca tem sempre uma forte atenção na hora da produção de suas máquinas com o meio ambiente e os seres humanos, tornando-a líder em tecnologia, inovação e expansão de um novo século.

Recentemente, após o término do Salão de motos da Alemanha a empresa divulgou os seus dois novos lançamentos, as novas Z650 e Z900.

As máquinas serão substitutas das versões ER – 6N e a Z800 e foram divulgadas na 74º edição do Salão de motos de Milão na Itália que aconteceu nos dias 10 e 13 de novembro de 2016.

A Z650 inovará com um motor 649cc enquadrada nas novas exigências feita pelo Programa Euro 4 que tem como objetivo reduzir as emissões de gases poluentes e com isso a potência também foi reduzida para mais ou menos 68 cv dos modelos antigos . A nova versão ainda conta com embreagem deslizante e um assento com 790 milímetros de altura.

Comparando com o seu modelo antigo ER – 6N, a Z650 chegou com seu peso reduzido, diferença que poderá resultar em uma melhor potência.

Mas as atenções foram todas voltadas para a nervosa Z900, que substitui a Z800 europeia.

Está versão vem de fábrica com uma suspensão com garfo invertido, amortecedores de 41mm, ajuste de pré-carga , suspensão traseira regulável, freios equipados com ABS e pinças de 30mm, motor de 948 cc podendo atingir 128 cv e assento de 794mm ideal para pilotos de estaturas baixas.

As cores dispostas para as duas versões são: branco perolizado, preto metálico e verde metálico.

Os preços e datas para lançamentos no Brasil ainda não foram divulgadas.

Por Bruna Tabara dos Santos

Kawasaki Z650 e Z900


Novo modelo estará disponível em duas cores: Preta com valor estimado em R$ 91.990 e Cinza e/ou vermelha com o valor estimado em R$ 94.990.

A marca Indian com suas linhas disponíveis no Brasil há um ano acaba de lançar para o mercado brasileiro sua mais nova produção, a Indian Springfield, concorrente direta com a Harley-Davidson Road King.

O modelo estará disponível em duas cores: Preta com valor estimado em R$ 91.990 e Cinza e/ou vermelha com o valor estimado em R$ 94.990.

A base da moto já é conhecida, assim como o potente motor V2 de 1.811 cc, porém para a nova versão houve pequenas mudanças e investimentos como versão mais leve por não apresentar mais as carenagens dianteiras, maletas laterais, farol em formato de "bolha" dianteira removíveis, partida sem chave e trava por controle remoto.

O visual clássica da Springfield traz com ela vários elementos tecnológicos, freios ABS, acelerador eletrônico, indicador de pressão nos pneus no painel, bancos com desenhos exclusivos, para-brisas e guidões menores, plataforma para garupa e protetores laterais na frente e atrás. Você ainda poderá incluir um sistema de áudio premium para curtir as músicas de sua preferência enquanto desfila com sua potente e clássica motocicleta pela cidade.

Dimensões: 2,58m de comprimento / 1,44m de altura / 99cm de largura / 1,70m entre os eixos / Altura do assento 66cm.

Este modelo assim como todos os outros da marca está sendo montado e produzido na cidade de Manaus e estará disponível em todas as lojas existente no Brasil, são elas: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Florianópolis e a mais recente inaugurada em Goiânia.

E o nome já é conhecido de algum lugar, certo?

Sim, o nome da moto é uma homenagem a cidade Springfield, em Massachusetts, cidade natal da marca que é a mais antiga fabricante de motocicletas dos Estados Unidos da América. Em 1901 George Hendee trouxe Oscar Hedstrom para juntos impulsionarem os projetos de bicicletas, mas nem imaginavam que após 115 anos a Indian se tornaria um legado e estaria no ranking durante todo o século XX.

Seus modelos mais conhecidos são a Scout que ficou popularmente conhecida até então, como a Indian mais rápida do mundo e a Chief (Clássica ou Vintage).

Por Bruna Tabara dos Santos

Indian Springfield


Não era necessário possuir CNH para pilotar motocicletas de 50cc, porém uma nova lei passou a exigir a habilitação.

Algumas motocicletas 50cc (50 cilindradas) ou também conhecidas como "cinquentinha", são muito utilizadas no Brasil, especialmente na região Nordeste. Para o uso dessas motos não era necessário possuir CNH, no entanto, desde agosto de 2015 há uma lei que passa a exigir que esses veículos sejam emplacados.

Recentemente, foram impostas mais exigências para quem pilota essas motos. Antes não era necessário possuir a CNH, mas a partir de 31 de maio o Contran irá exigir a habilitação dos condutores das famosas cinquentinhas. Inicialmente o prazo para que os motoristas possuíssem a habilitação era até 3 de março, no entanto, foi adiado devido a um pedido da Associação Nacional de Usuários de Ciclomotores (ANUC).

Esses ciclomotores possuem 50 cilindradas e atingem uma velocidade máxima de 50 km/h. São muito utilizadas por serem simples, práticas e serem mais baratas, estando na faixa de R$ 3.700,00. O motorista deve se lembrar que a carga da moto (que conta com quem está pilotando e se houver, o passageiro e a carga) não deve ultrapassar de 140kg.

Algumas marcas que não eram tão conhecidas no mercado, começaram a ter seus nomes mais consolidados após a nova lei que exige a CNH. Um exemplo é a Shineray, que possui até dez opções de motos 50cc. Essa marca criou até mesmo um portal para facilitar a regularização dos antigos veículos nos termos da nova lei. O portal tem se mostrado bem eficiente, já que os clientes podem fazer um cadastro que já irá contar com uma base de dados oficial do Denatran com as características do veículo em questão.

Esses ciclomotores são altamente recomendados para deslocamentos urbanos, de curta distância. É comum que sejam utilizados para locomoção dentro de uma mesma cidade. No entanto, não é permitido que eles sejam utilizados em vias de trânsito rápidas. Se utilizados em pista de rolamento, devem ser conduzidos pela direita.

Outro ponto de grande importância é o capacete. Ele é obrigatório e caso o piloto não o esteja utilizando a infração irá render sete pontos na carteira e uma multa de R$ 191,54. Além disso, o direito de dirigir será suspenso, o veículo será apreendido e a habilitação suspensa.

Por Isabela Palazzo

CNH moto 50cc

Foto:Divulgação


Modelo foi apresentado no Salão de Milão e traz ótimas características.

Para quem anda antenado no mundo das máquinas sabe que o Salão de Milão é a porta de entrada, o cartão de visitas de muitas fabricantes de motos. E foi justamente lá, no Salão de Milão, que a KTM decidiu apresentar no dia 17, a 1290 Super Duke GT.

O novo modelo chega com novidades como o acréscimo de diversas características que remetem aos modelos touring e o chassi, que nada mais é do que o esportivo pertencente à família de “nakeds”. A título de curiosidade além do citado modelo a 690 Duke também mostrou ao público um pacote com mais esportividade.

Mas vamos aos detalhes. A nova GT da KTM, derivada da 1290 Super Duke, conta com um potente motor bicilíndrico de 1301cc e 173 cavalos de potência. E isso ainda aliado a itens típicos das “estradeiras” como um tanque com capacidade para 23 litros, um assento mais confortável, controle de velocidade e para-brisa ajustável.

Obviamente que não podemos deixar passar os equipamentos de série que estarão presentes na versão 2016. Entre eles vamos encontrar  manopla aquecível, suspensão semiativa, luzes diurnas de LED, 4 modos de pilotagem, controle de estabilidade e freios ABS – ambos com sensor de inclinação.

Seguindo com a linha de motos vale lembrar que a Super Duke R desembarcou por aqui no mês de abril deste ano. O preço na época era de R$ 79 mil.

Para ter o “direito” de carregar a letra “R” no nome que, para os mais desavisados, serve para designar os modelos mais esportivos, a “naked” 690 Duke teve algumas alterações como o aumento da potência do motor monocilíndrico de 73 para 75. O que só foi possível com o uso de alguns equipamentos de ponta como o silenciador Akrapovic.

Para completar a 690 Duke R ainda traz o diferencial da pinça de freio Brembo, as tradicionais rodas com a cor laranja, controle de tração, ABS com sensor de inclinação e suspensão WP totalmente ajustável.

Pelo visto o Salão de Milão de 2015 vai trazer novidades incríveis para o setor.

Por Denisson Soares

1290 Super Duke GT

1290 Super Duke GT

1290 Super Duke GT

Fotos: Divulgação


Nova geração da moto ganhou novos modelos e 2 motores inéditos.

A montadora Triumph divulgou no dia 28 de outubro a nova geração da Bonneville. A nova geração ganha incríveis novos modelos e 2 motores inéditos.

Os modelos devem chegar em território brasileiro no ano 2016. De acordo com a empresa Triumph, a geração da Bonneville foi 100% restruturada, sendo composta por 5 modelos, como segue:

– Bonneville T120;

– Black Edition;

– Street Twin;

– Thruxton 1200;

– Thruxton 1200 R.

A grande novidade fica por conta da Street Twin. Este modelo será o primeiro a chegar em solo brasileiro.

Entre as especificações técnicas, podemos citar seu novo motor de dois cilindros e 900 cc. Neste modelo, o sistema de refrigeração que configurava os modelos antigos da Bonnevile, foi descartado, dando entrada a um dispositivo líquido.

Para os modelos T120 e Thruxton, foi desenvolvido um novo motor de 1200 cc, mas com potencialidades diferentes entre ambos. No que se refere o modelo T120, o bicilíndrico atinge 10,7 kgfm de torque a 3.100 rpm.

Já no modelo Thruxton, o aumento foi de 62%, chegando a 12,23 kgfm a 4.950 rpm, garante a Triumph. Para conferir todas as especificações técnicas dos novos modelos, é só acessar o site oficial da marca.

Apesar de um certo aspecto retrô, a Triumph acabou engendrando algumas características modernas na nova linha. A montadora manteve até um certo ponto, o visual retrô da linha Bonneville. Mas para não se perder em meio a contemporaneidade, a Triumph acabou modernizando todo o conjunto estético dos novos modelos, não somente os motores.

Cabe ressaltar que a Chassi e suspensões também são novidades e os modelos passam a contar com diversos sistemas eletrônicos.

Entre outras novidades destacáveis, além de ABS de série em toda nova linha, os modelos T120, T120 Black, Thruxton e Thruxton R possuem modos de pilotagem, acelerador eletrônico e controle de tração.

Por Felipe Pancheri Colpani

Triumph Bonneville 2016

Triumph Bonneville 2016

Fotos: Divulgação


Modelos foram reestilizados e ganharam novas alterações.

Após realizar a reestilização da CBR 500 R, modelo esportivo da família 500, como já era esperado por muitos a renomada fabricante de veículos automotores Honda não deixaria de renovar também as irmãs CB 500X e CB 500F, a renovação desses dois modelos foi realizada, a fim de que eles continuassem no mesmo nível técnico da CBR 500R. Com inspiração retirada da VFR 800X Crossunner, motocicleta totalmente renovada no ano de 2014, a Honda confirmou que iria renovar não só a CB 500X, como também as crossovers NC 750X e VFR 1200X, porém, os consumidores podem ficar no aguardo que em breve a Honda irá anunciar a renovação da naked da família 500.

Na CB 500X os principais destaques ficarão por conta da inserção de um novo para-brisa que ficou 100 mm mais alto que o utilizado anteriormente, essa alteração foi feita para que o conforto dos pilotos, na estrada, fosse otimizado. Além disso, o modelo ganhou lanterna e farol novos de LED, nova suspensão dianteira com ajustamento pré-carga e manete de freio com ajuste na altura. Para garantir um funcionamento mais suave e preciso, o câmbio deste modelo também foi revisado.

Já na NC 750X, uma das motocicletas mais comercializadas na Europa, a Honda fez a modificação completa do seu visual, a fim de conseguir dar um ar mais robusto e uma aparência mais aventureira. Para conseguir isso, a fabricante inseriu novo farol e lanterna de LED, o para-brisa foi elevado em 70 mm.

A versão NC foi contemplada com uma nova suspensão dianteira Showa, a qual possui ajuste de compressão e retorno, o amortecedor traseiro continua com ajuste apenas na pré-carga. Outra alteração bastante interessante sofrida por este modelo foi o aumento do prático guarda-volumes que era de 21 e passou a ser de 22 litros, o qual fica localizado no local onde fica o tanque de combustível nas motos convencionais. Além dessas modificações a motocicleta ganhou novo painel similar ao da recém-lançada CB Twister e um novo escapamento que apesar de ser menor possui um som mais grave, característica esta que faz o motor bicilíndrico de 745 cm³ ter um barulho maravilhoso.

E, por fim, na VRF 1200X, as grandes novidades são ajustes de altura no para-brisas, os três níveis inseridos no modo S na versão que possui câmbio automático (DCT), a única opção comercializada no Brasil e com anúncio de chegada da nova África Twin, logo não aguarde pela versão equipada com câmbio manual de Crosstourer. 

Por Adriano Oliveira

Honda CB 500X

Honda CB 500F

Honda NC 750X

Honda VFR 1200X

Fotos: Divulgação


Parceria entre o piloto de Fórmula 1 e a montadora de motos de luxo fez surgir uma moto de grande estilo e ótimas características.

Lewis Hamiltone MV Agusta criam uma moto em parceria. Essa é uma grande ação de marketing.

A MV Agusta é uma empresa que fabrica motos de luxo. O bacana é que o modelo foi desenvolvido pelo bicampeão da Fórmula 1 em parceria com a marca. Essa novidade promete ser um dos principais destaques do Salão de Milão.

A moto foi lançada no dia 15 de agosto e já está fazendo sucesso. O visual, o design e o preço ainda não foram divulgados. A moto tem motor de 3 cilindros e 798 cc, além de 140 cavalos. A expectativa é que o produto consiga alavancar ainda mais a força da MV Agusta no mercado de duas rodas em todo o mundo. A moto, por sua vez,  foi baseada na Dragster RR

Hamilton falou sobre sua paixão também pelos veículos de duas rodas e que isso, sem sombra de dúvida, terminou por fazer com que ele tivesse essa ideia. Afinal o campeão do automobilismo também já mostrou interesse em pilotar, quem sabe, num torneio de Moto GP. É possível encontrar nas redes sociais e na internet, fotos de Hamilton com sua criação. Um detalhe interessante é que Ayrton Senna também já lançou uma moto, no caso uma do modelo Ducati.

O modelo da moto da MV Agusta em parceria com Lewis Hamilton é uma nova versão da Dragster que, naturalmente, tem tudo para agradar aos fãs em geral. O centro de desenvolvimento da MV disse que está muito feliz com esse projeto e que novos modelos ainda irão surgir daqui para frente.

A moto, como era de se esperar, será muito veloz e estilosa. Pois bem, o que podemos esperar dessa parceria? Essa é uma pergunta que teremos a resposta em breve.

O que vocês acharam dessa novidade?

Por Madson Lima de Oliveira

Moto da MV Agusta e Lewis Hamilton

Moto da MV Agusta e Lewis Hamilton

Fotos: Divulgação


Novo modelo é vendido por R$ 53.800, e traz diferenciais interessantes em sua mecânica e design.

A ideia foi projetar uma moto que, mesmo sendo compacta, de forma nenhuma abriu mão da potência. Assim é a nova Suzuki GSX-R 1000, uma moto que além de linda, promete trazer fortes emoções e aventuras para os amantes de verdadeiras máquinas sob duas rodas.

A Suzuki sabe que a concorrência não está para brincadeira, por isso, decidiu colocar no mercado uma moto repleta de diferenciais. Um desses diferenciais está na personalidade que a moto tem, sendo ao mesmo tempo compacta e tão imponente. A proposta foi abrir um pouco mão do espaço físico para se trabalhar mais no quesito força e velocidade.

Vamos a uma breve ficha técnica para entender como funciona isso – a Nova Suzuki GSX-R 1000 tem 999 centímetros cúbicos de cilindrada, podendo chegar a uma potência de 11.500 rpm, Sem dúvidas, com características como essa, é possível se chegar a velocidades incríveis. O motor é de quatro cilindros com 16 válvulas, concebida em quatro tempos com refrigeração líquida. O tipo de ignição é eletrônico e a partida é elétrica, com um sistema de alimentação por injeção eletrônica. Ela ainda possui o modelo de transmissão de seis velocidades e, quando acelerada, aí vem o que mais causa frisson na nova Suzuki GSX-R 1000: o ruído da máquina, que chega a marca de 97,7 decibéis. É de colocar qualquer coração a mil por hora, ou por segundo.

Para maior segurança, o freio traseiro é a disco e os freios dianteiros de disco duplo. Afinal, não adianta oferecer tanta potência e velocidade sem o suporte necessário para a segurança dos seus proprietários. O design é de uma modernidade incomum, algo que a Suzuki sempre gosta de fazer em todos os seus projetos de moto.

O preço da nova Suzuki GSX-R 1000 2016 é de R$ 53.800,00, sendo que as concessionárias Suzuki estão autorizadas a parcelar esse valor em até 24 vezes, com taxa zero de juros.

Saiba mais sobre essa máquina no site www.suzukimotos.com.br e anime-se para ter a sua. 

Por Michelle de Oliveira

Suzuki GSX R-1000 2016

Foto: Divulgação


Modelo é a primeira motocicleta street de pequeno porte da marca e será vendido no Brasil no 2° semestre de 2016.

Em breve, o mercado brasileiro de motocicletas, quinto mercado do mundo da BMW Motorrad, irá receber algumas novidades importantes que serão trazidas pela marca alemã. No Salão Duas Rodas 2015, a principal atração trazida pela marca foi a estreia mundial da motocicleta Concept Stunt G310, protótipo este que será a primeira motocicleta street de pequeno porte da marca.

Apesar de ser pequena, ela foi projetada com um propulsor de 310 cc, rodas no tamanho 17 polegadas, além disso, a motocicleta conta com garfo telescópico na dianteira e balança monoamortecida na traseira, fatores estes que evidenciam ainda mais a proposta urbana deste modelo que deve gerar uma moto de produção, entre 250 e 500 cc, que será fabricada e vendida no Brasil no ano de 2016, contudo somente no segundo semestre.

As cores escolhidas para a moto conceito foram verde e amarelo combinados com azul, branco e vermelho da BMW Motorsport. Essas cores fizeram a confirmação da importância que o Brasil terá para o futuro deste modelo, haja vista que esta motocicleta será fabricada principalmente para ser comercializada no Brasil e na Ásia.

Mesmo a BMW jurando que o motor de 310 cc que foi inserido no conceito não serve com dica para indicar qual será a cilindrada do propulsor da versão de produção, assim como as linhas da carenagem, posicionamento do motor e quadro em treliça, essas características ajudaram bastante para se ter uma perspectiva de como será a pequena BMW.

O quadro desta motocicleta será tubular, sendo que a concentração de massas em torno dele servirá para indicar um conjunto dianteiro em uma posição mais baixa e uma balança traseira mais alongada.

As rodas deste modelo serão de liga leve e no tamanho 17 polegadas, o sistema de freio utilizado será o de disco, já a transmissão final será feita por meio de corrente.

Por Adriano Oliveira

BMW Concept Stunt G310

BMW Concept Stunt G310

Fotos: Divulgação


Modelos serão comercializadas no Brasil com preços de R$ 15.990 (200 Duke) e R$ 21.990 (390 Duke).

Os motociclistas agora têm uma grande novidade para andar pelas ruas no Brasil: a Dafra-KTM realizou um anúncio informando que comercializará os modelos 200 Duke e 390 Duke ABS no país. Além das próprias motocicletas em si, também foi anunciada a chegada de toda a linha de roupas e acessórios exclusivos, que deverão estar disponíveis nas concessionárias.

A Dafra-KTM já conta com diversas lojas dual brand em funcionamento no Brasil, nas cidades de São Paulo, Santo André, Santos e Campinas (todas no Estado de São Paulo), além de Florianópolis (SC), Cabo Frio, Niterói e Duque de Caixas (todas no Rio de Janeiro), Brasília (DF), Maringá (PR) e Belo Horizonte (MG).

A expectativa, de acordo com o gerente de marcas da Dafra no Brasil, José Ricardo Siqueira, é de que até o primeiro trimestre de 2016, sejam inauguradas mais 11 lojas dual brand espalhadas pelo país. Todas já estão em fase avançada, e devem cumprir a expectativa. Além das atuais 5 flagships (lojas com um padrão de qualidade acima da média), a marca deve chegar ao total de 22 concessionárias dual brand.

Esse formato de loja (dual brand) é raro no Brasil, porém na Europa é algo já difundido. A Dafra acredita que juntas, as marcas se complementam, pois possuem perfis de consumidores diferentes, não representando uma verdadeira concorrência. Com essas novas concessionárias, o motociclista poderá não apenas curtir as motocicletas, como também desfrutar dos acessórios que trazem as duas marcas.

Com preços de R$ 15.990 (para a 200 Duke) e R$ 21.990 (para a 390 Duke), as concessionárias ainda oferecerão a oportunidade de realizar um test ride e um exclusivo atendimento pós-venda.

A expectativa é que esse modelo de loja dê certo no Brasil, e quem sabe outras marcas, não apenas de motocicletas, adotem a ideia e ofereçam condições personalizadas para os consumidores finais.

Por Felipe Villares

Dafra-KTM 390 Duke ABS

Dafra-KTM 200 Duke

Fotos: Divulgação


Montadora apresentou o teaser da nova Ninja, modelo ZX-10R 2016, que traz novo design e atualizações.

Uma das motocicletas mais desejadas do mundo é a Ninja, da Kawasaki. Esse modelo marcou gerações por ser uma supermotor, com potência e design arrojados e, agora, a montadora oriental acaba de revelar duas imagens em um teaser que apresenta a nova Ninja, modelo ZX-10R 2016.

Pelas imagens reveladas, é possível perceber que a carenagem ganha novo design, mas sem perder a essência de agressividade bem característica da Ninja. A clássica cor verde, também aparece nesse teaser, que deixou muitos fãs ainda mais aguçados por esse novo modelo.

Ainda não há muitas informações oficiais confirmadas pela Kawasaki, mas o que a montadora informou até agora é que a nova Ninja ganhará um novo sistema de freios, além de uma atualização na suspensão. Detalhes específicos sobre esses itens não foram revelados.

O líder do projeto, Yoshimoto Matsuda, disse que a base dos modelos antigos foi utilizada para criar esse modelo 2016, mas a motocicleta deve ganhar melhor desempenho depois dessas atualizações. Participaram também do projeto, os pilotos Tom Sykes e Jonathan Rea, que auxiliaram no projeto para deixar a Ninja mais competitiva e potente desde a sua criação.

Como era de se esperar, a nova Ninja será um dos modelos mais aguardados para os próximos salões de motocicletas, e talvez até dos que incluem veículos de quatro rodas. Especula-se que ela deve aparecer para o público no Salão de Milão, na Itália.

Informações adicionais, como valor de entrada e configurações mecânicas (como potência, cilindradas, bloco de motor) ainda não foram divulgadas. Também ainda não se sabe em quais mercados a Ninja ZX-10R 2016 será comercializada, nem se o Brasil está nessa lista.

Porém, se for seguir as configurações mecânicas do modelo atual, obviamente podemos esperar uma motocicleta com uma superpotência, capaz inclusive de superar os carros de rua mais velozes do mundo.  

Por Felipe Villares

Teaser Kawasaki Ninja ZX-10R 2016

Foto: Divulgação


Muitos motoristas querem trocar o carro por uma moto, mas é preciso saber se adaptar ao jeito de pilotar uma.

Muitos motoristas pretendem trocar o uso do carro pela moto e os benefícios são claros: motos não ficam paradas em congestionamentos, possuem baixo de custo de manutenção em comparação com os carros, gastam menos combustível, são menos poluentes, são fáceis de estacionar, o custo de aquisição é bem mais acessível, e em muitos lugares motos não pagam estacionamento ou pagam um valor muito menor.

Mesmo com tantas vantagens é necessário ter a consciência de que é preciso se adaptar, apesar da facilidade as diferenças entre os 2 tipos de transporte chamam atenção para alguns cuidados, portanto, fique ligado nas dicas que daremos a seguir:

1.       Todo cuidado é pouco:

Muitos acidentes envolvem motociclistas que muitas vezes são considerados abusados no trânsito. Não tente manobras arriscadas, lembre-se que a melhor forma de garantir a sua segurança é ter atitudes sensatas, portanto, não abuse e dirija com muita atenção.

2.       Capacete: equipamento é obrigatório para condutor e passageiro.

Apesar da obrigação legal, muitos motociclistas não respeitam as regras, além do uso é necessário manter as viseiras abaixadas durante o percurso, invista em bons equipamentos de segurança.

3.       Compre um modelo de moto que atenda às suas necessidades:

Existem centenas de motos no mercado que são segmentadas de acordo com o uso, saber escolher é fundamental para evitar futuros transtornos.

4.       Treinamento nunca é demais:

Sabemos que ter a carteira de habilitação não significa estar preparado para dirigir no caos do trânsito, praticar em vias pouco movimentadas é uma boa iniciativa, além de dar mais experiência aumenta o nível de confiança do condutor.

5.       Planejamento de Percurso – Iniciantes devem evitar lugares de trânsito intenso:

Locais com trânsito intenso necessitam de muita habilidade na direção da moto, se você está começando, opte por vias mais tranquilas, tenha planejamento de percurso e fuja de enrascadas.

Esperamos que estas dicas te auxiliem na adaptação do uso de sua moto e desejamos boa sorte no seu percurso!

Por Beatriz Duarte

Pilotar moto

Foto: Divulgação


Modelo Softail Breakout é uma das principais novidades da linha 2015 da Harley-Davidson.

A grande fabricante de motocicletas Harley-Davidson fez o lançamento de uma de suas principais novidades da linha 2015 que é o modelo Softail Breakout, junto com esta novidade a marca também trouxe outras duas novidades que são os modelos: Street Bob e Low Rider.

A Softail Breakout será comercializada nas concessionárias da empresa em todo país a partir de R$ 58.700. Esta motocicleta chama bastante atenção, devido ao fato dela não ter a aparência de um modelo de linha de produção comum, tendo em vista que logo a primeira vista a impressão de quem a visualiza é de que esta moto tenha passado por uma customização.

Por ser muito bonita, por onde passa esta moto sempre acaba despertando os olhares do público, principalmente, se a que for vista for a que possui um esquema de pintura especial brilhante denominado Hardy Candy Custom,  apesar desta pintura deixá-la ainda mais bonita, se o consumidor quiser ter este opcional  terá que desembolsar um valor de R$ 60.350 pela moto.

Há ainda uma opção de valor intermediário, opção esta que vem com dois tons de cores e é comercializada pelo valor de R$ 59.150. Realmente a moto é bem grande e apresenta um motor bem avantajado, contudo devido ao fato dela ter um assento baixo em relação ao solo a sua condução é feita com muita facilidade, outro fator que ajuda a facilitar a condução é o fato de que a maior parte do peso dela fica distribuída na sua parte inferior, todavia não ache que esta é uma motocicleta das mais leves, pois tem um peso de 309 kg.

A Breakout, apesar de ser uma versão mais acessível, ela manteve o mesmo estilo já visto por aqui trazido pela CVO Breakout, a qual era vendida pelo valor de R$ 98.600, mas esta versão mais barata possui um efeito estético bastante similar.

Quanto à motorização esta motocicleta possui um motor de dois cilindros e 1.585 cc e um toque 11,8 Kgfm a 2750 rpm, conjunto este que trabalha com o câmbio de 6 marchas. 

Por Adriano Oliveira

Harley-Davidson Softail Breakout 2015

Harley-Davidson Softail Breakout 2015

Fotos: Divulgação


Modelos R 1200 GS e R 1200 GS Adventure serão produzidos em Manaus e terão os preços de R$ 69.900 e R$ 78.900, respectivamente.

Foi anunciado oficialmente pela grande empresa fabricante de veículos automotores BMW a iniciação da montagem dos modelos R 1200 GS e R 1200 GS Adventure. Esses dois modelos são as motocicletas do topo de linha da gama aventureira da marca e serão montadas aqui no País, na cidade Manaus.

Conforme o que já foi divulgado pela BMW, os interessados em adquirir estas motocicletas aqui no Brasil já podem comprá-las nas concessionárias da marca na pré-venda, sendo que elas estão sendo vendidas por R$ 69.900 (o modelo R 1200 GS) e R$ 78.900 (o modelo R 1200 GS Adventure). Essas duas versões são limitadas GS Trophy, na configuração premium.

Antigamente, estas motocicletas, quando chegavam aqui no País, eram trazidas da Alemanha e eram comercializadas por aqui com preço a partir de R$ 74.400 no modelo GS tradicional, e de R$ 87.900 na versão Adventure.

Apesar de ainda a BMW não ter feito a divulgação do valor de toda a linha, há a expectativa de que as versões sejam comercializadas por um preço mais barato, segundo as informações divulgadas pela montadora, em princípio, as concessionárias brasileiras irão receber somente os modelos da versão premium, os quais serão montados aqui no Brasil e serão comercializados pelos valores mencionados acima.

Com relação aos detalhes técnicos destas motocicletas, a R 1200 GS traz como propulsor o tradicional motor da BMW bicilíndrico de incríveis 1.170 cc com sistema de arrefecimento misto realizado por ar e água, este motor tem a capacidade de gerar uma potência máxima de 125 cavalos e um torque de 12,7 kgfm. Na versão Adventure a motocicleta vem com uma altura  maior em relação ao solo e o reservatório do tanque de combustível com capacidade maior, neste caso com 30 litros.

Estes dois modelos já virão de fábrica com itens visuais de comemoração da final do Rally GS Trophy 2014, bem como soft bag e protetor de motor. 

Por Adriano Oliveira

BMW R 1200 GS Adventure

Foto: Divulgação


Novo modelo traz um motor com maior cilindrada e a adição de injeção eletrônica.

Na última sexta-feira (dia 24) a Honda anunciou a renovação do 4º modelo de moto mais vendido no país: a Pop. Na versão 2016, o novo nome escolhido será Pop 110i, substituindo o do modelo anterior, Pop 100.

Sua principal novidade é o motor com uma maior cilindrada e também a adição da injeção eletrônica. O modelo não recebia tantas alterações desde o seu lançamento, no ano de 2006.

O seu design também mudou: o novo modelo mantém a essência do desenho original, mas sua dianteira e sua carenagem sofreram uma nova modelagem que não deixa nenhum parafuso à vista, adaptando-se às tendências do design para o setor.

Outra inovação é na parte traseira que passou a ser bem mais parecida com a de uma moto convencional, com setas que se separam da lanterna traseira.

Embora o modelo seja pouco conhecido na região sudeste, a Pop 100 é um produto importante para a Honda, e tem seu público alvo no Nordeste. Em alguns estados, como o Maranhão e o Rio Grande do Norte, por exemplo, a Pop é mais vendida do que a CG 150. Por isso a Honda não pode deixar de trazer inovações para essa fatia importantíssima de mercado.

O motor da nova Pop agora possui 109,1 cc, ultrapassando as 97,1 cc de seu modelo anterior e com a adição da injeção eletrônica. A empresa também já se preveniu quanto às novas orientações para emissões de poluentes, que começarão a valer em janeiro do próximo ano.

A potência do motor que antes era de 6,17 cavalos, passou para 7,9 cavalos no modelo 110i. Seu torque agora tem 0,9kgfm, ultrapassando os 0,74kgfm do modelo 100. O Câmbio continua o mesmo: manual de 4 marchas.

A Pop 110i será produzida no estado de Manaus e terá como opção de cores o vermelho, o preto e o branco. A garantia agora passa de um ano para 3 anos.

Os clientes dos estados do Nordeste, com certeza serão fidelizados com as novidades da nova Pop. Um design que não deixa a desejar e uma maior potência, fazem com que o novo modelo possa ser novamente sucesso de vendas no ano de 2016.

Por Patrícia Generoso

Honda Pop 110i 2016

Honda Pop 110i 2016

Fotos: Divulgação


Queda registrada nas vendas de motocicletas foi de 10,5% no 1º semestre de 2015. Honda foi a responsável por 80% das vendas, seguida da Yamaha e da Suzuki.

Durante o primeiro semestre do ano foram emplacadas 641.796 motocicletas em todo país, o que representa uma queda de 10,5% em relação ao mesmo período do ano passado, que alcançou 717.707 unidades vendidas. O resultado foi considerado o pior desde o ano de 2006. Os dados foram divulgados pela Fenebrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Segundo a organização, a Honda foi responsável por aproximadamente 80% das vendas de motocicletas realizadas no primeiro semestre deste ano, vendendo 519.575 unidades. A japonesa Yamaha emplacou 76.058 unidades, alcançando a marca de 11,8%. Já a montadora Suzuki garantiu 1,5% das vendas.  As montadoras Dafra e Shineray foram responsáveis pelo restante das vendas do segmento.

Isso ocorre porque a economia brasileira tem passado por maus momentos desde o início do ano. O aumento do dólar, o aumento da taxa básica Selic e o aumento da inflação fizeram com que os brasileiros deixassem de consumir vários produtos, dentre eles as motocicletas. Além disso, as instituições financeiras diminuíram o volume de financiamento para venda de imóveis e automóveis.

Em maio do ano passado, foram comercializadas 105.506 motocicletas. Já em junho deste ano foram emplacadas 101.130 unidades, o que representa uma queda de 4,1%. Se compararmos as vendas do mês de junho de 2014, a queda é de 2,63%. Apesar da diminuição de vendas em relação ao ano passado, o segmento de motocicletas é o menos afetado pela economia até o momento.

Segundo dados da Fenabrave, houve queda de 20,7% na venda de veículos automobilísticos (carros, ônibus, veículos comerciais leves e ônibus). A organização acredita que os consumidores brasileiros estão deixando de comprar automóveis para adquirir motocicletas, o que de certa forma está auxiliando o segmento.

A Fenabrave prevê que até o final do ano sejam emplacadas aproximadamente 1.301.204. Se o resultado for confirmado, haverá queda de 9% em relação às vendas realizadas no ano passado.

Por Wendel George Peripato

Venda de motos

Foto: Divulgação


Novo modelo será vendido na Europa, Estados Unidos, Austrália e Japão.

A montadora japonesa Honda anunciou no dia 11 de junho deste ano, o lançamento de sua nova motocicleta conceito baseada em modelos utilizados no campeonato mundial de corridas de motos, o MotoGP. O modelo batizado de RC213V-S possui preço de 184 mil dólares para o mercado americano. Já no Brasil a motocicleta custaria R$ 567.400, muito mais que um automóvel esportivo, por exemplo.

O modelo deverá ser fabricado e distribuído para o continente europeu, Estados Unidos, Austrália e Japão. A Honda descarta a possibilidade de o modelo ser vendido no Brasil. Na Europa o preço do modelo é ainda maior, sendo comercializado por 188 mil euros, algo em torno de R$ 655.386.

O sistema de válvulas pneumáticas utilizado no modelo de corrida foi alterado para um sistema de molas, que são comuns nos modelos esportivos. Além disso, o câmbio possui seis marchas, e a função de troca de marchas rápidas foi removido, porém o modelo não deixa a desejar.

O sistema de frenagem utilizado é o ABS e a motocicleta conta com freio a disco duplo na dianteira, já na traseira a motocicleta é dotada de freio a disco simples e suspensão Pro-Link.

Segundo a empresa, o modelo utilizado em campeonatos sofreu algumas mudanças mecânicas para transitar em vias urbanas. Para que obtivesse permissão para ser usada nas ruas, o modelo possui motor V4 de 999 cilindradas, que é capaz de atingir impressionantes 101 cavalos de potência máxima em alta rotação. Entretanto, no continente europeu a motocicleta será disponibilizada com melhor performance, sendo capaz de atingir 159 cavalos.

A versão europeia do modelo possui uma leve vantagem sobre a americana, já que é possível adquirir um kit de forma opcional, que faz com que o modelo atinja 215 cavalos de potencia. Dessa forma, o peso bruto da moto é reduzido em dez quilos, passando de 170 Kg para 160 Kg.

O design externo pouco mudou, porém existe a adição de retrovisores, escapamento silencioso e descanso lateral. A motocicleta deverá estar à venda a partir de 13 de julho pelo site oficial da Honda.

Por Wendel George Peripato

Honda RC213V-S

Honda RC213V-S

Honda RC213V-S

Fotos: Divulgação


Modelo chegará às concessionárias em julho com preço inicial de R$ 17.990 e terá 2 versões: standard e ABS.

No dia 11 de junho a Kawasaki anunciou uma das novidades mais aguardadas deste ano: o preço da Z300. A notícia é esperada desde abril, quando o modelo Z300 foi anunciada junto com outra 4 novidades que incluiam a Ninja H2 e a Vulcan S.

O modelo chegará às concessionárias em julho e terá preço inicial de R$ 17.990. Esse valor, no entanto, não inclui o frete até a residência do comprador ou o seguro da moto.  O novo modelo contará com duas versões: standard e ABS. As cores disponíveis para a versão sem  ABS são verde, cinza ou laranja, O modelo com ABS disponível será o topo de linha e tem preço sugerido de R$ 19.990. O modelo completo porém continuará somente com a opção da tradicional cor verde.

A motocicleta tem a mesma base da esportiva Ninja 300, sem a carenagem. O modelo conta também com inspiração baseada no visual do modelo Z800. O modelo Z300 vem com um estilo visual mais agressivo, conhecido como Naked e é mais apropriada para o dia a dia.

O motor da nova Z300 é o mesmo do modelo Ninja 300, bicilíndrico que rende cerca de 39 cavalos de potência a 11.000 rpm e incríveis 2,8 kgfm de torque a 10.000 rpm. Outras atrações do modelo serão o câmbio de seis velocidades e o quadro em estilo Diamond, em aço.

Se você quer uma motocicleta veloz, com um design arrojado e com boa funcionalidade para seu dia a dia, o modelo Z300 é o indicado para você. A Kawasaki acredita que em breve esse novo modelo tome o lugar da Ninja 300 como seu modelo líder de vendas. No ano de 2014 foram vendidas cerca de 2.478 unidades do modelo Ninja 300 no Brasil. A fabricante está bem otimista com as novas funcionalidades do modelo Z300 e os consumidores esperam ansiosos pela sua chegada ao mercado.

Por Patrícia Generoso

Kawasaki Z300

Kawasaki Z300

Kawasaki Z300

Fotos: Divulgação


Novo modelo superesportivo atrai pessoas que gostam de surf e traz vários itens interessantes.

A galera dos esportes radicais, principalmente do surf, agora tem mais um motivo para comemorar, já que a BMW lançou um modelo superesportivo que promete fazer a cabeça dos que gostam de um estilo clássico, mas com uma pegada diferente.

Esse novo modelo, batizado de Concept Path 22, é no estilo Scrambler e foi baseado em outro modelo, da R nineT, que é um modelo também da montadora alemã e que possui mais capacidade de personalização. A apresentação da Concept Path 22 ocorreu em um festival que engloba surf, arte e motos, na badalada praia de Biarritz, na França.

De acordo com Edgar Heinrich, chefe de projeto da BMW, esse novo modelo foi muito mais pensado para atrair pelo design do que por suas especificações de desempenho. E essa Scrambler também foi pensada para contemplar o evento na França, que é muito tradicional no mundo do surf. Ainda segundo Heinrich, a Concept Path 22 é a interpretação própria dos designers para o modelo R nineT.

Entre os itens desse modelo estão um assento de couro que é curto, bem como a própria rabeta. O farol circular possui uma grade, já que provavelmente o motociclista surfista pegaria muita areia, e isso serviria para proteger o farol. Os pneus com cravos também foram pensados para terrenos diferentes, com areias e pedras. A roda dianteira é alta, lembrando um estilo cross, e o escape também é elevado.

Além disso, a Concept Path 22 vem com um design bem praiano, com desenhos suaves na carroceria. E como chave de ouro, já um suporte, para que o surfista possa levar sua própria prancha sem problemas maiores.

Por enquanto, esse é apenas um conceito lançado pela BMW. Mas como todo veículo conceito, é bem possível que lancem outro modelo baseado nesse lançamento. A chance de sucesso é grande, já que muitos surfistas gostariam de uma motocicleta radical para sua prática de relaxamento diário.

Por Felipe Villares

BMW Concept Path 22

BMW Concept Path 22

BMW Concept Path 22

BMW Concept Path 22

Fotos: Divulgação


Em abril de 2015 foram produzidas 101.856 unidades de motocicletas no Brasil, uma queda de 30,7%.

A crise financeira afetou diversos ramos de indústrias e camadas da sociedade no Brasil. E a indústria de motocicletas não ficou de fora dessa. Segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), a produção desses veículos caiu 30,7% em abril deste ano.

Essa comparação é feita com o mesmo período do ano anterior. Já com relação a março de 2015, a queda também foi significativa: 20% menos motocicletas fabricadas. Se comparado aos quatro primeiros meses de 2014, o mesmo período desse ano sofreu uma redução de 17,4%. E os prognósticos não são dos melhores para os próximos meses.

Em abril de 2015, foram fabricadas no país 101.856 unidades de motocicletas, o que não se pode considerar um número baixo. Porém, com a alta taxa de desemprego e inadimplência, boa parte da produção fica parada nas fábricas, obrigando as empresas a darem férias coletivas forçadas a seus funcionários. Esse quadro já é realidade há alguns meses entre as indústrias de automóveis (carros e caminhões), sobretudo no ABC Paulista, onde a taxa de desemprego aumenta a cada dia.

No mercado de motocicletas, a única notícia boa é que o número de exportações cresceu se compararmos abril com o mês anterior, com um aumento de 63,8%, totalizando 2.761 unidades de motocicletas exportadas. Porém, se comparado com o mesmo período do ano anterior, esse número sofreu uma queda de 60,3%.

De acordo com Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, as indústrias esperam uma boa recuperação desse mercado para os próximos meses, sobretudo após as férias coletivas dadas pelas empresas no meio do ano e com o acontecimento do Salão Duas Rodas, que será realizado de 7 a 12 de outubro, e deve aquecer as vendas no setor.

A expectativa é que a economia se recupere, e tanto as concessionárias possam vender mais, como as fábricas produzirem mais unidades.

Por Felipe Villares

Produção de motos-1

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: