Condições especiais para aquisição por financiamento são oferecidas pela Harley-Davidson no Brasil para a linha 2016.

As concessionárias brasileiras já receberam a linha 2016 da Harley. São mais de dez modelos das custom mais famosas do mundo. E, atentando ao mercado recessivo brasileiro – em meio à crise econômica – a Financial Services da marca oferece condições especiais para aquisição por financiamento.

O setor financeiro da montadora firmou taxa de 0,99% ao mês e parcelamento com valor fixo para até 24 meses no pagamento do saldo. Para que o financiamento seja concedido, a entrada deve ser de no mínimo 50% sobre o valor total da motocicleta desejada.

Entre toda a nova família de Harleys, as Sportster são as que mais chamam atenção dos amantes de motos.

A Iron 883 cilindradas tem o acabamento quase todo em preto, design agressivo e tanque de gasolina em estilo clássico da marca com capacidade para 12,5 litros. O guidão e comandos nele são simples e com acabamento preto, em visual minimalista. As lanternas traseiras são de LED e têm os piscas integrados. As rodas são de liga de alumínio com freio ABS. O amortecedor traseiro tem regulagem de altura. A Iron sai por R$ 42,9 mil. O opcional é a pintura diferenciada Hardy Candy Custom, que adiciona mais R$ 1,5 mil ao valor de venda.

Já a Forty-Eight tem como cor original o bordô e a capacidade do tanque é de 7,9 litros. Ela tem pneus personalizados, mais robustos que outros modelos. O motor de 1.200 cilindradas também tem predominância da cor preta, porém as tampas são cromadas. O velocímetro, culturalmente de mostrador único, tem conta-giros e indicador de marchas. Os freios de ABS tiveram aumento nos discos em relação à versão anterior da moto para melhor desempenho. A Forty-Eight tem valor de R$ 50,7 mil. As cores opcionais, tom de vermelho diferente e Hardy Candy Custom, custam respectivamente R$ 350 e R$ 1,1 mil.

Por Bruno Klein

Harley Iron 883

Harley-Davidson Forty-Eight

Fotos: Divulgação


Nova Biz traz novidades e atualização em sua versão 2016.

A Honda Biz, motoneta que começou a ser comercializada no ano de 2008, desde a sua criação, sempre fez muito sucesso, devido ao fato de ser um meio de transporte rápido e prático para locomoção urbana.

É nessa perspectiva, que a Honda fez o anuncio no dia 9 de dezembro do lançamento da nova Biz 125 2016. A motoneta já está disponível para aquisição em toda rede de concessionárias da marca. Nessa nova edição a moto, além de uma atualização, ganhou novo grafismo, painel de instrumento digitalizado e com nova grafia, bem como um espaço maior no porta-capacete.

Na parte mecânica, ela foi equipada com propulsor bicombustível monocilíndrico OHC de quatro tempos e 144,9 cc, com arrefecimento feito a ar e injeção eletrônica. Este novo motor que foi inserido nela possui a capacidade de produzir uma potência máxima de 9,2 cavalos a 7.500 rpm e o torque de 1,04 Kgfm a 3.500, dados estes obtidos mesmo com ela abastecida com gasolina ou etanol.

A Biz 2016 possui transmissão semiautomática e a tradicional partida por pedal, contudo a fabricante disponibiliza com opcional partida elétrica. Nessa versão 2016, foi incorporado no modelo um novo catalizador, o qual já está de acordo com as exigências trazidas pelo Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares (Promot 4), programa este que entrará em vigor no mês de janeiro de 2016.

Essa nova edição da famosa Honda Biz será disponibilizada para os consumidores em três cores branca, preta e vermelha em apenas uma versão que será a EX, nos detalhes ela traz sistema de freio a disco na roda dianteira e rodas de liga leve.

O preço de comercialização sugerido pela fabricante, sem o frete, é de R$ 8.790,00, sendo que a partir deste novo modelo 2016, a moto já sairá de fábrica com três anos de garantia e sem limites de quilometragem, bem como fornecimento gratuito de óleo em sete revisões. 

Por Adriano Oliveira

Honda Biz 2016

Honda Biz 2016

Fotos: Divulgação


Modelo foi apresentado no Salão de Milão e traz ótimas características.

Para quem anda antenado no mundo das máquinas sabe que o Salão de Milão é a porta de entrada, o cartão de visitas de muitas fabricantes de motos. E foi justamente lá, no Salão de Milão, que a KTM decidiu apresentar no dia 17, a 1290 Super Duke GT.

O novo modelo chega com novidades como o acréscimo de diversas características que remetem aos modelos touring e o chassi, que nada mais é do que o esportivo pertencente à família de “nakeds”. A título de curiosidade além do citado modelo a 690 Duke também mostrou ao público um pacote com mais esportividade.

Mas vamos aos detalhes. A nova GT da KTM, derivada da 1290 Super Duke, conta com um potente motor bicilíndrico de 1301cc e 173 cavalos de potência. E isso ainda aliado a itens típicos das “estradeiras” como um tanque com capacidade para 23 litros, um assento mais confortável, controle de velocidade e para-brisa ajustável.

Obviamente que não podemos deixar passar os equipamentos de série que estarão presentes na versão 2016. Entre eles vamos encontrar  manopla aquecível, suspensão semiativa, luzes diurnas de LED, 4 modos de pilotagem, controle de estabilidade e freios ABS – ambos com sensor de inclinação.

Seguindo com a linha de motos vale lembrar que a Super Duke R desembarcou por aqui no mês de abril deste ano. O preço na época era de R$ 79 mil.

Para ter o “direito” de carregar a letra “R” no nome que, para os mais desavisados, serve para designar os modelos mais esportivos, a “naked” 690 Duke teve algumas alterações como o aumento da potência do motor monocilíndrico de 73 para 75. O que só foi possível com o uso de alguns equipamentos de ponta como o silenciador Akrapovic.

Para completar a 690 Duke R ainda traz o diferencial da pinça de freio Brembo, as tradicionais rodas com a cor laranja, controle de tração, ABS com sensor de inclinação e suspensão WP totalmente ajustável.

Pelo visto o Salão de Milão de 2015 vai trazer novidades incríveis para o setor.

Por Denisson Soares

1290 Super Duke GT

1290 Super Duke GT

1290 Super Duke GT

Fotos: Divulgação


Nova geração da moto ganhou novos modelos e 2 motores inéditos.

A montadora Triumph divulgou no dia 28 de outubro a nova geração da Bonneville. A nova geração ganha incríveis novos modelos e 2 motores inéditos.

Os modelos devem chegar em território brasileiro no ano 2016. De acordo com a empresa Triumph, a geração da Bonneville foi 100% restruturada, sendo composta por 5 modelos, como segue:

– Bonneville T120;

– Black Edition;

– Street Twin;

– Thruxton 1200;

– Thruxton 1200 R.

A grande novidade fica por conta da Street Twin. Este modelo será o primeiro a chegar em solo brasileiro.

Entre as especificações técnicas, podemos citar seu novo motor de dois cilindros e 900 cc. Neste modelo, o sistema de refrigeração que configurava os modelos antigos da Bonnevile, foi descartado, dando entrada a um dispositivo líquido.

Para os modelos T120 e Thruxton, foi desenvolvido um novo motor de 1200 cc, mas com potencialidades diferentes entre ambos. No que se refere o modelo T120, o bicilíndrico atinge 10,7 kgfm de torque a 3.100 rpm.

Já no modelo Thruxton, o aumento foi de 62%, chegando a 12,23 kgfm a 4.950 rpm, garante a Triumph. Para conferir todas as especificações técnicas dos novos modelos, é só acessar o site oficial da marca.

Apesar de um certo aspecto retrô, a Triumph acabou engendrando algumas características modernas na nova linha. A montadora manteve até um certo ponto, o visual retrô da linha Bonneville. Mas para não se perder em meio a contemporaneidade, a Triumph acabou modernizando todo o conjunto estético dos novos modelos, não somente os motores.

Cabe ressaltar que a Chassi e suspensões também são novidades e os modelos passam a contar com diversos sistemas eletrônicos.

Entre outras novidades destacáveis, além de ABS de série em toda nova linha, os modelos T120, T120 Black, Thruxton e Thruxton R possuem modos de pilotagem, acelerador eletrônico e controle de tração.

Por Felipe Pancheri Colpani

Triumph Bonneville 2016

Triumph Bonneville 2016

Fotos: Divulgação


Novo modelo é vendido por R$ 53.800, e traz diferenciais interessantes em sua mecânica e design.

A ideia foi projetar uma moto que, mesmo sendo compacta, de forma nenhuma abriu mão da potência. Assim é a nova Suzuki GSX-R 1000, uma moto que além de linda, promete trazer fortes emoções e aventuras para os amantes de verdadeiras máquinas sob duas rodas.

A Suzuki sabe que a concorrência não está para brincadeira, por isso, decidiu colocar no mercado uma moto repleta de diferenciais. Um desses diferenciais está na personalidade que a moto tem, sendo ao mesmo tempo compacta e tão imponente. A proposta foi abrir um pouco mão do espaço físico para se trabalhar mais no quesito força e velocidade.

Vamos a uma breve ficha técnica para entender como funciona isso – a Nova Suzuki GSX-R 1000 tem 999 centímetros cúbicos de cilindrada, podendo chegar a uma potência de 11.500 rpm, Sem dúvidas, com características como essa, é possível se chegar a velocidades incríveis. O motor é de quatro cilindros com 16 válvulas, concebida em quatro tempos com refrigeração líquida. O tipo de ignição é eletrônico e a partida é elétrica, com um sistema de alimentação por injeção eletrônica. Ela ainda possui o modelo de transmissão de seis velocidades e, quando acelerada, aí vem o que mais causa frisson na nova Suzuki GSX-R 1000: o ruído da máquina, que chega a marca de 97,7 decibéis. É de colocar qualquer coração a mil por hora, ou por segundo.

Para maior segurança, o freio traseiro é a disco e os freios dianteiros de disco duplo. Afinal, não adianta oferecer tanta potência e velocidade sem o suporte necessário para a segurança dos seus proprietários. O design é de uma modernidade incomum, algo que a Suzuki sempre gosta de fazer em todos os seus projetos de moto.

O preço da nova Suzuki GSX-R 1000 2016 é de R$ 53.800,00, sendo que as concessionárias Suzuki estão autorizadas a parcelar esse valor em até 24 vezes, com taxa zero de juros.

Saiba mais sobre essa máquina no site www.suzukimotos.com.br e anime-se para ter a sua. 

Por Michelle de Oliveira

Suzuki GSX R-1000 2016

Foto: Divulgação


Modelo será lançado no Brasil em breve e tem o preço sugerido de R$ 5.400.

Um triciclo elétrico chamado Trikke será lançado no Brasil pela marca de acessórios, peças e serviços da FCA, a Mopar.  O modelo será completamente voltado para o lazer de seus usuários e a novidade já pode ser conferida e já está disponível nas concessionárias do grupo pelo preço sugerido de R$ 5.400.

O Trikke elétrico foi desenvolvido para a circulação em espaços fechados, como condomínios ou parques. O modelo tem uma condução fácil, pois possui rodas com um sistema que as deixa em contato o tempo todo com o solo. Para que sejam feitas curvas, o usuário deve inclinar o seu corpo na direção que deseja, de forma semelhante ao uso de uma motocicleta.

A tração é feita por um motor elétrico de 36 volts e 250 watts. O motor é montado na roda dianteira do modelo.  A alimentação do triciclo é feita por meio de uma bateria de ion de lítio, com 9.000 mA/h e com 324 watts, que pode facilmente ser recarregada em qualquer tomada doméstica. A recarga completa da bateria é feita em torno de 5 horas e dá ao modelo uma autonomia de 25km sem uma nova recarga. O modelo vem ajustado para a rede de 200 volts.

A velocidade máxima que o triciclo alcança é de 25 km por hora e os freios são localizados nas rodas traseiras e são a disco. O modelo possui ainda travas para estacionamento.

O Mopar Trike é leve, possui somente 24,5 kg, e possui um guidão dobrável, o que faz com que o modelo ocupe somente 25% de seu tamanho total depois de dobrado. Esse fator que faz dele um modelo versátil e fácil de ser transportado e guardado. Como também ocupa pouco espaço pode ser utilizada para funções como vigilância em locais como shopping centers e condomínios, por exemplo.

O modelo foi projetado nos Estados Unidos, no estado da Califórnia, com peças produzidas no próprio país. Atualmente, os modelos têm somente a opção da cor vermelha.

Por Patrícia Generoso

Mopar Trikke

Mopar Trikke

Fotos: Divulgação


Modelo Softail Breakout é uma das principais novidades da linha 2015 da Harley-Davidson.

A grande fabricante de motocicletas Harley-Davidson fez o lançamento de uma de suas principais novidades da linha 2015 que é o modelo Softail Breakout, junto com esta novidade a marca também trouxe outras duas novidades que são os modelos: Street Bob e Low Rider.

A Softail Breakout será comercializada nas concessionárias da empresa em todo país a partir de R$ 58.700. Esta motocicleta chama bastante atenção, devido ao fato dela não ter a aparência de um modelo de linha de produção comum, tendo em vista que logo a primeira vista a impressão de quem a visualiza é de que esta moto tenha passado por uma customização.

Por ser muito bonita, por onde passa esta moto sempre acaba despertando os olhares do público, principalmente, se a que for vista for a que possui um esquema de pintura especial brilhante denominado Hardy Candy Custom,  apesar desta pintura deixá-la ainda mais bonita, se o consumidor quiser ter este opcional  terá que desembolsar um valor de R$ 60.350 pela moto.

Há ainda uma opção de valor intermediário, opção esta que vem com dois tons de cores e é comercializada pelo valor de R$ 59.150. Realmente a moto é bem grande e apresenta um motor bem avantajado, contudo devido ao fato dela ter um assento baixo em relação ao solo a sua condução é feita com muita facilidade, outro fator que ajuda a facilitar a condução é o fato de que a maior parte do peso dela fica distribuída na sua parte inferior, todavia não ache que esta é uma motocicleta das mais leves, pois tem um peso de 309 kg.

A Breakout, apesar de ser uma versão mais acessível, ela manteve o mesmo estilo já visto por aqui trazido pela CVO Breakout, a qual era vendida pelo valor de R$ 98.600, mas esta versão mais barata possui um efeito estético bastante similar.

Quanto à motorização esta motocicleta possui um motor de dois cilindros e 1.585 cc e um toque 11,8 Kgfm a 2750 rpm, conjunto este que trabalha com o câmbio de 6 marchas. 

Por Adriano Oliveira

Harley-Davidson Softail Breakout 2015

Harley-Davidson Softail Breakout 2015

Fotos: Divulgação


Empresa optou por reduzir em 18% a fabricação de motocicletas no País para evitar mais demissões.

O cenário de crise econômica em 2015 é bastante forte e vem atingindo diversos setores da economia brasileira. Um dos grandes exemplos é a produção de motocicletas, que vinha registrando bons números nos últimos anos, porém, apenas na Zona Franca de Manaus já tem nada menos que uma produção 18% inferior que no primeiro de semestre de 2014 se comparamos os números da Honda. Além disso, o primeiro semestre de 2015 registrou 14% a mais de demissões quando compararmos o mesmo período em 2014.

Vale ressaltar que a queda na produção de motocicletas por parte da Honda é algo bastante preocupante, haja vista a mesma ser a maior fabricante de motocicletas de todo o Brasil. É importante destacar que a baixa na produção de motocicletas foi uma alternativa que a Honda encontrou para evitar mais demissões.

Além disso, saiba que a Honda busca enfrentar o atual momento de crise investindo pesado na motocicleta mais popular da marca, a CG 150. Com isso, a montadora está renovando o modelo aqui citado. Além disso, outro grande destaque em meio à crise é a Honda Pop, haja vista ser um modelo mais popular e acessível financeiramente.

Portanto, com a queda de produção de motocicletas da Honda o grande desafio será manter o nível de vendas de 2014 com os modelos aqui citados. Com isso, a montadora teria base suficiente para manter os empregos no segundo semestre de 2015.

O gerente da Honda, Mário Okubo, acredita que o mercado das motocicletas pode manter sua estabilidade em 2016 e a partir de 2017 deve começar a se recuperar. Segundo ele, um investimento pesado de linhas de crédito por parte do governo é o essencial para a recuperação do setor. Portanto, seria algo similar à liberação de crédito por parte de alguns bancos para os veículos de quatro rodas, o que acaba facilitando o financiamento de tais veículos.

A Honda é uma das principais marcas no mercado das motocicletas, sendo a responsável por 80% do mercado brasileiro.

Por Bruno Henrique

Honda CG 150 Titan

Foto: Divulgação


Novo modelo será vendido na Europa, Estados Unidos, Austrália e Japão.

A montadora japonesa Honda anunciou no dia 11 de junho deste ano, o lançamento de sua nova motocicleta conceito baseada em modelos utilizados no campeonato mundial de corridas de motos, o MotoGP. O modelo batizado de RC213V-S possui preço de 184 mil dólares para o mercado americano. Já no Brasil a motocicleta custaria R$ 567.400, muito mais que um automóvel esportivo, por exemplo.

O modelo deverá ser fabricado e distribuído para o continente europeu, Estados Unidos, Austrália e Japão. A Honda descarta a possibilidade de o modelo ser vendido no Brasil. Na Europa o preço do modelo é ainda maior, sendo comercializado por 188 mil euros, algo em torno de R$ 655.386.

O sistema de válvulas pneumáticas utilizado no modelo de corrida foi alterado para um sistema de molas, que são comuns nos modelos esportivos. Além disso, o câmbio possui seis marchas, e a função de troca de marchas rápidas foi removido, porém o modelo não deixa a desejar.

O sistema de frenagem utilizado é o ABS e a motocicleta conta com freio a disco duplo na dianteira, já na traseira a motocicleta é dotada de freio a disco simples e suspensão Pro-Link.

Segundo a empresa, o modelo utilizado em campeonatos sofreu algumas mudanças mecânicas para transitar em vias urbanas. Para que obtivesse permissão para ser usada nas ruas, o modelo possui motor V4 de 999 cilindradas, que é capaz de atingir impressionantes 101 cavalos de potência máxima em alta rotação. Entretanto, no continente europeu a motocicleta será disponibilizada com melhor performance, sendo capaz de atingir 159 cavalos.

A versão europeia do modelo possui uma leve vantagem sobre a americana, já que é possível adquirir um kit de forma opcional, que faz com que o modelo atinja 215 cavalos de potencia. Dessa forma, o peso bruto da moto é reduzido em dez quilos, passando de 170 Kg para 160 Kg.

O design externo pouco mudou, porém existe a adição de retrovisores, escapamento silencioso e descanso lateral. A motocicleta deverá estar à venda a partir de 13 de julho pelo site oficial da Honda.

Por Wendel George Peripato

Honda RC213V-S

Honda RC213V-S

Honda RC213V-S

Fotos: Divulgação


Modelos Scout, Roadmaster, Chief Classic, Chief Vintage e Chieftain serão fabricados e vendidos no Brasil.

A fabricante americana Indian Motorcycles tem sua estreia marcada no Brasil para outubro deste ano, no Salão Duas Rodas, que acontece em São Paulo. Desde o ano passado há especulações sobre a venda dos modelos da marca no mercado nacional. Mas agora há bem mais que especulações, pois a marca confirmou o acordo para a montagem de 5 de seus modelos, a partir de kits CKD, em Manaus (AM). A montagem será feita na planta da Dafra, onde já acontecem montagens de BMW, Ducati, MV Augusta e KTM. Além disso, a marca planeja abrir concessionárias no Brasil, nas principais regiões.

A Indian é uma fabricante centenária  e é concorrente direta da Harley-Davidson no segmento custom,  tendo inclusive, já conquistado uma fatia do mercado da Harley, devido ao forte investimento do Grupo Polaris, que comprou a Indina em 2011, para conseguir trazer de volta, reconquistar fãs antigos e envolver os novos, mostrando que a Indian é uma empresa tão sólida quanto a Harley.

A linha de motocicletas Indian conta com 5 modelos, a Scout, seu mais recente modelo, a Roadmaster, Chief Classic, Chief Vintage e Chieftain. Segundo Rodrigo Lourenço, diretor executivo da Polaris na América do Sul, a família Chief vem buscar a fatia de consumidores que atualmente são da Harley. E segundo Lourenço, a empresa acredita que a Scout vai trazer um público novo.

Estima-se que no último trimestre de 2015, as primeiras concessionárias já sejam abertas, com continuidade em 2016, quando acontecerão inaugurações nas maiores praças. A Indian não terá o mesmo número de lojas da Harley, que são 19, mas há grandes expectativas com relação ao Brasil, mesmo com a atual recessão.

Essa notícia agrada em cheio os amantes de motocicletas, uma vez que a tradicionalíssima Indian tem os mais lindos modelos de duas rodas – quem conhece sabe, quem não conhece, procure conhecê-las. E aguarda-se o início dos trabalhos, que, além de ótimo para a economia, irá gerar empregos.

Por Elia Macedo

Fotos: Divulgação


Modelo chegará às concessionárias em julho com preço inicial de R$ 17.990 e terá 2 versões: standard e ABS.

No dia 11 de junho a Kawasaki anunciou uma das novidades mais aguardadas deste ano: o preço da Z300. A notícia é esperada desde abril, quando o modelo Z300 foi anunciada junto com outra 4 novidades que incluiam a Ninja H2 e a Vulcan S.

O modelo chegará às concessionárias em julho e terá preço inicial de R$ 17.990. Esse valor, no entanto, não inclui o frete até a residência do comprador ou o seguro da moto.  O novo modelo contará com duas versões: standard e ABS. As cores disponíveis para a versão sem  ABS são verde, cinza ou laranja, O modelo com ABS disponível será o topo de linha e tem preço sugerido de R$ 19.990. O modelo completo porém continuará somente com a opção da tradicional cor verde.

A motocicleta tem a mesma base da esportiva Ninja 300, sem a carenagem. O modelo conta também com inspiração baseada no visual do modelo Z800. O modelo Z300 vem com um estilo visual mais agressivo, conhecido como Naked e é mais apropriada para o dia a dia.

O motor da nova Z300 é o mesmo do modelo Ninja 300, bicilíndrico que rende cerca de 39 cavalos de potência a 11.000 rpm e incríveis 2,8 kgfm de torque a 10.000 rpm. Outras atrações do modelo serão o câmbio de seis velocidades e o quadro em estilo Diamond, em aço.

Se você quer uma motocicleta veloz, com um design arrojado e com boa funcionalidade para seu dia a dia, o modelo Z300 é o indicado para você. A Kawasaki acredita que em breve esse novo modelo tome o lugar da Ninja 300 como seu modelo líder de vendas. No ano de 2014 foram vendidas cerca de 2.478 unidades do modelo Ninja 300 no Brasil. A fabricante está bem otimista com as novas funcionalidades do modelo Z300 e os consumidores esperam ansiosos pela sua chegada ao mercado.

Por Patrícia Generoso

Kawasaki Z300

Kawasaki Z300

Kawasaki Z300

Fotos: Divulgação


Nova moto será lançada em junho deste ano e terá a capacidade de entregar uma potência de 300 cv.

A Bienville Legacy, uma moto com uma cara bem futurista pode muito bem ser definida em apenas uma única palavra: Excêntrica. Bom, na verdade este é o primeiro aspecto que chama a atenção das pessoas, mas a moto apresenta um trunfo para poucos já que conta com um motor que traz a incrível capacidade de entregar uma potência na casa dos impressionantes 300 cavalos.

Criada nos Estados Unidos a Bienville Legacy já tem até data para fazer sua estreia no mercado (oficialmente). A informação é de que isso acontecerá no mês junho, por ocasião da realização do festival de Goodwood. O festival acontece no Reino Unido, no final do mês citado.

 Três anos para ficar pronta:

O projeto envolvendo o desenvolvimento da Bienville Legacy, que agrega um visual bem diferente de tudo que já foi visto até então, demorou nada mais nada menos do que três anos para chegar em sua fase final.

Foi um bom tempo de trabalho para o projeto ser concluído. Mas, como dissemos, a partir do mês de junho deste ano o mundo terá à sua disposição uma moto com o motor V4 de 1.560 cc. E que, claro, vai entregar os 300 cavalos apontados no início.

Muita gente tem se perguntado como é que a moto pode chegar a essa potência, ou melhor, o que foi feito para que isso fosse possível. Resumindo, muito dessa possibilidade é devida a presença de um sistema chamado de “supercharged”. Esse sistema traz uma sobrealimentação de ar e isso é um fator fundamental para que a potência final do motor possa aumentar significativamente.

Por esse aspecto e alguns outros, a Bienville Legacy contará com um nível de potência bem maior do que o que é encontrado na maior parte das motocicletas que se encontram a disposição dos consumidores no mercado atualmente. A maioria delas não passa muito da faixa dos 200 cavalos de potência.

Para ser mais exato nesse ponto há no mercado apenas uma única moto que tem o potencial de chegar aos 300 cavalos de potência: a Kawasaki Ninja H2R.

Por Denisson Soares

Moto Bienville Legacy

Moto Bienville Legacy

Fotos: Divulgação


Para aumentar sua participação no mercado, a Traxx lançou a moto TSS 250. Em junho as versões de 150 cilindradas também serão lançadas no Brasil.

A marca pertencente ao grupo China South Industries Group, Traxx, praticamente não atua nas regiões Sul, Sudeste, e Centro-Oeste do Brasil. Sendo assim, como estratégia para ampliar suas áreas de atuação surge o modelo TSS 250 por R$ 9.590,00. Além do modelo 250cc, no mês de junho, as versões de 150 cilindradas adentrarão mercado de motocicletas no Brasil.

Atualmente a Traxx, que pertence ao maior grupo de fabricantes de motocicletas de todo o mundo, tem sua base de produção na cidade de Manaus, capital do Amazonas.

Segundo matéria divulgada pela revista Duas Rodas, a motocicleta agrada logo nas primeiras impressões: o design é significativamente atraente, com combinação das cores vermelha com branco e preta com branco, consagrando-a com os adjetivos “bonita e moderna”.

Outro ponto positivo para a Traxx TS 250 foi o conforto. Destacam-se a posição agradável de pilotagem da moto – capaz de garantir ergonomia confortável ao piloto; o banco e os pedais esportivos.

Além dos itens citados, a revista Duas Rodas caracteriza o modelo como uma motocicleta com bom comportamento dinâmico. Contudo, a revista enfatiza que o modelo possui um motor inferior às demais motocicletas de 250 cilindradas do mercado, assimilando-se mais a uma de 200 cilindradas. O arranque é bom (torque de 1,7 kgf.m a 6.000 rotações por minuto), no entanto a baixa potência do motor peca ao não colaborar para ganhar velocidade.

Os freios são bastante “borrachudos”, o que compromete um pouco as frenagens, chegando a ser necessário apertar com força os freios para pará-la em altas velocidades.

No geral, a moto do renomado grupo chinês agradou, sendo que os pontos negativos não são tão grandes e, dificilmente, serão capazes de fazer o comprador final desistir da aquisição ao levantar esses fatores. Em outras palavras, parece que a TRAXX irá conseguir cumprir com o propósito da motocicleta: seu objetivo em aumentar a sua fatia de mercado. O modelo TSS 250 possui um preço mais baixo que suas concorrentes e, esse é um diferencial do mercado, capaz de aumentar a clientela da marca.

Por Júnior Beluzzo

Traxx TSS 250

Traxx TSS 250

Fotos: Divulgação


Novo modelo virá com motor flex. Lançamento ocorrerá ainda no mês de maio.

Não há como negar que a motocicleta Yamaha Ténéré foi e continua sendo um grande sucesso no mercado nacional, uma grande prova desse sucesso é que ela é o sexto modelo comercializado pela Yamaha aqui no Brasil no ano de 2014, ano em que esta motocicleta teve 6.832 unidades comercializadas.

Agora a grande aposta da fabricante de motos Yamaha é na versão 2016 desta motocicleta, a qual passou por algumas atualizações. A maior das atualizações feitas na XTZ 250 Ténéré versão 2016 ficou por conta da substituição do motor, principalmente, porque o mesmo motor a acompanhava desde o lançamento, que é propulsor monocilíndrico de 250cc, contudo, após estas atualizações a empresa desenvolveu um novo motor totalmente inovador, o qual é capaz de ser movido tanto gasolina quanto a etanol.

O principal motivo que fez com que a Yamaha inovasse e inserisse na sua pequena motocicleta aventureira um motor com a tecnologia flex foi o fato de que uma mudança na legislação brasileira, a qual tem previsão para entrar em vigor a partir do mês de janeiro do ano que vem. Esta mudança na legislação foi batizada com o nome de Promot 4, ou seja, Programa de Controle da Poluição do Ar por Motocicletas e Veículos Similares, o qual preconiza restrições mais severas nos níveis de emissões das motocicletas que circulam por todo o território nacional.

Conforme foi divulgado oficialmente pela Yamaha, este novo propulsor, quando for abastecido com etanol ganhará mais dois décimos de cavalo de potência, o que representa 20,9 cv, enquanto que habitualmente o motor quando abastecido com gasolina gera 20,7 cv, sendo que estas duas mensurações foram feitas a 8.000 rpm. O torque dessa motocicleta quando abastecida com gasolina é de 2,09 kgfm e quando abastecida com etanol é de 2,1 kgfm.

E as novidades não param por aí, o design do painel foi modificado, haja vista que agora este é digital e possui tela de LCD, tecnologia est que proporcionou a agregação de uma luz do sistema conhecido como “Blue Flex”. Outro quesito também que foi atualizado foi a traseira dessa moto que ganhou lanternas de LED, maior capacidade no bagageiro, bem como alças de apoio redesenhadas e confeccionadas em alumínio.

A previsão de chegada dessa motocicleta às concessionárias é para a segunda quinzena do mês de maio, sendo que ela será disponibilizada nas seguintes cores: cinza fosco, azul, marrom metálico e o tradicional branco.

Por Adriano Oliveira

Yamaha XTZ 250 Ténéré 2016

Yamaha XTZ 250 Ténéré 2016

Fotos: Divulgação


Em abril de 2015 foram produzidas 101.856 unidades de motocicletas no Brasil, uma queda de 30,7%.

A crise financeira afetou diversos ramos de indústrias e camadas da sociedade no Brasil. E a indústria de motocicletas não ficou de fora dessa. Segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), a produção desses veículos caiu 30,7% em abril deste ano.

Essa comparação é feita com o mesmo período do ano anterior. Já com relação a março de 2015, a queda também foi significativa: 20% menos motocicletas fabricadas. Se comparado aos quatro primeiros meses de 2014, o mesmo período desse ano sofreu uma redução de 17,4%. E os prognósticos não são dos melhores para os próximos meses.

Em abril de 2015, foram fabricadas no país 101.856 unidades de motocicletas, o que não se pode considerar um número baixo. Porém, com a alta taxa de desemprego e inadimplência, boa parte da produção fica parada nas fábricas, obrigando as empresas a darem férias coletivas forçadas a seus funcionários. Esse quadro já é realidade há alguns meses entre as indústrias de automóveis (carros e caminhões), sobretudo no ABC Paulista, onde a taxa de desemprego aumenta a cada dia.

No mercado de motocicletas, a única notícia boa é que o número de exportações cresceu se compararmos abril com o mês anterior, com um aumento de 63,8%, totalizando 2.761 unidades de motocicletas exportadas. Porém, se comparado com o mesmo período do ano anterior, esse número sofreu uma queda de 60,3%.

De acordo com Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, as indústrias esperam uma boa recuperação desse mercado para os próximos meses, sobretudo após as férias coletivas dadas pelas empresas no meio do ano e com o acontecimento do Salão Duas Rodas, que será realizado de 7 a 12 de outubro, e deve aquecer as vendas no setor.

A expectativa é que a economia se recupere, e tanto as concessionárias possam vender mais, como as fábricas produzirem mais unidades.

Por Felipe Villares

Produção de motos-1

Foto: Divulgação


Segunda geração dos peneus Scorpion Trail foi lançada para motocicletas de 500cc a 1.200cc.

Os proprietários de motocicleta no Brasil têm mais um motivo para comemorar: a Pirelli já lançou no país a segunda geração do Scorpion Trail, para modelos de 500cc a 1.200cc, com diversas opções de medidas.

Essa é uma grande tendência no mercado brasileiro que a marca pretende suprir, pois as motocicletas mistas, on/off road, estão cada vez mais populares no país. Isso significa que os motociclistas terão boas condições de dirigibilidade tanto no asfalto quanto para enfrentar situações adversas em terra.

Entre as melhorias, estão a redução de ruído, o aumento do rendimento quilométrico, a capacidade do pneu poder drenar em piso molhado e a elevação da estabilidade.

Segundo o diretor de pesquisa e desenvolvimento da marca, Piero Misani, o novo modelo foi uma mistura entre a própria primeira geração do Scorpion Trail, com o Angel GT. Juntando as características dos dois modelos, saiu o Scorpion Trail II.

Essas novas configurações permitiram um novo desenho de sulcos, com cortes transversais em sentido diagonal, fazendo melhorar a drenagem e reduzindo o ruído. Com uma nova carcaça de curvatura mais plana, foi aumentada a área de contato, fazendo com que o desgaste seja mais regular na parte traseira. Os sulcos longitudinais também foram repaginados, com cortes menores, melhorando a estabilidade.

Durante os testes realizados pela imprensa internacional, os novos pneus da Pirelli se mostraram muito bons, mesmo com a variação do asfalto, incluindo questões de temperatura. A estabilidade e a aderência melhoraram, sobretudo na curva, proporcionando uma experiência mais esportiva a quem utilizar esses Scorpion Trail II.

A marca não divulgou os valores oficiais dos modelos dos pneus, porém já é possível encontrá-los em lojas autorizadas da Pirelli.

Se você gosta de se aventurar em diversos tipos de asfalto com sua motocicleta mista, essa é uma grande opção a ser testada durante suas viagens, tanto para pistas de asfalto quanto para pistas de terra.

Por Felipe Villares

Pneu Pirelli Scorpion Trail

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: