País registra queda superior a 30% no primeiro semestre de 2016, se comparado com o mesmo período do ano passado.

A crise econômica que está instalada no país assola todos os setores da economia e no setor dos fabricantes de motocicletas não acontece de maneira diversa, haja vista que a Associação dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abracido), divulgou nesta última quinta-feira, dia 07 de abril de 2016, dados que demonstram que ocorreu no Brasil uma redução de 36,9% na produção de motocicletas somente neste primeiro semestre de 2016.

Segundos os dados mensurados, no período compreendido entre os meses de janeiro e março de 2016, 227.426 motocicletas foram fabricadas no país, enquanto que no mesmo período do ano de 2015 tivemos a fabricação de 360.187 motocicletas.

Outro dado obtido nessa mensuração foi a diminuição das vendas no atacado, ou seja, venda realizada pelas montadoras para as suas respectivas concessionárias. Em termos percentuais, o decréscimo de vendas ficou em 37,4%, uma vez que no primeiro triênio deste ano somente 215.372 motocicletas foram comercializadas enquanto no mesmo período do ano passado as estatísticas apontam que houve a comercialização de 343.817 motocicletas.

Com a relação à comparação entre os números obtidos nos dois meses anteriores a abril, no mês de março 80.410 unidades saíram das linhas de produção, enquanto que no mês de fevereiro este número reduziu para 71.095 motocicletas. Já se olhado o mês de fevereiro de 2015, a redução é assustadora, tenho em vista que saíram da linha de produção das fabricantes nada mais nada menos que 127.301 unidades.

Já com relação às exportações, o quantitativo mensurado neste primeiro trimestre teve uma elevação de 116,5%, sendo que neste ano foram exportadas 13.749 unidades e no ano passado este número não passou de 6.351 motocicletas.

Os números dos novos emplacamentos oriundos do Renavam também são desanimadores, uma vez que de janeiro a março deste ano foram emplacadas 239.923 novas motocicletas, enquanto que no mesmo intervalo de meses do ano passado foram emplacadas 326,690 novas unidades, redução esta que em termos de percentuais representa um decréscimo de 26,6%.

O certo é que não só os setores de fabricação e venda de motocicletas estão aguardando que a economia brasileira reaja, a fim de obterem estatísticas animadoras, tais como eram no passado.

Por Adriano Oliveira


Recentemente a montadora Triumph anunciou que produzirá suas motos na cidade de Manaus, capital do Amazonas. As primeiras unidades já estão sendo fabricadas desde setembro e após esse período de pré-produção, as motos serão testadas e avaliadas, a fim de garantir a sua excelência. Vale destacar que o setor está animado com a chegada da Triumph no Brasil, afinal, trata-se de uma fábrica de grande porte.

Inicialmente, as peças do conjunto virão da Inglaterra, porém, as fases de montagem e revisão ocorrerão em terras tupiniquins. As primeiras unidades começarão a ser vendidas na primeira quinzena de novembro e os preços de comercialização ainda não foram informados. O principal modelo da Triumph nessa primeira etapa de inserção no Brasil será o Tiger Explorer.

Ciente de que o consumidor brasileiro é bastante exigente, a marca tem focado na qualidade das peças, excelência no acabamento e bom desempenho. Por isso, projetou motos com altas cilindradas.

Nesse sentido, a moto Tiger Explorer virá com um motor de três cilindros e câmbio de seis marchas. Como se não bastasse, o modelo será equipado com controle de tração e freios ABS.

De acordo com a Diretoria Executiva da Triumph, apenas 800 motos serão montadas em 2012, no ano seguinte esse número aumentará para 1.910 e em 2014 esse número chegará a 3.147. Agora é esperar pra ver se a moto cumpre tudo que promete.

Por Larissa Mendes de Oliveira





CONTINUE NAVEGANDO: