Muitos motoristas querem trocar o carro por uma moto, mas é preciso saber se adaptar ao jeito de pilotar uma.

Muitos motoristas pretendem trocar o uso do carro pela moto e os benefícios são claros: motos não ficam paradas em congestionamentos, possuem baixo de custo de manutenção em comparação com os carros, gastam menos combustível, são menos poluentes, são fáceis de estacionar, o custo de aquisição é bem mais acessível, e em muitos lugares motos não pagam estacionamento ou pagam um valor muito menor.

Mesmo com tantas vantagens é necessário ter a consciência de que é preciso se adaptar, apesar da facilidade as diferenças entre os 2 tipos de transporte chamam atenção para alguns cuidados, portanto, fique ligado nas dicas que daremos a seguir:

1.       Todo cuidado é pouco:

Muitos acidentes envolvem motociclistas que muitas vezes são considerados abusados no trânsito. Não tente manobras arriscadas, lembre-se que a melhor forma de garantir a sua segurança é ter atitudes sensatas, portanto, não abuse e dirija com muita atenção.

2.       Capacete: equipamento é obrigatório para condutor e passageiro.

Apesar da obrigação legal, muitos motociclistas não respeitam as regras, além do uso é necessário manter as viseiras abaixadas durante o percurso, invista em bons equipamentos de segurança.

3.       Compre um modelo de moto que atenda às suas necessidades:

Existem centenas de motos no mercado que são segmentadas de acordo com o uso, saber escolher é fundamental para evitar futuros transtornos.

4.       Treinamento nunca é demais:

Sabemos que ter a carteira de habilitação não significa estar preparado para dirigir no caos do trânsito, praticar em vias pouco movimentadas é uma boa iniciativa, além de dar mais experiência aumenta o nível de confiança do condutor.

5.       Planejamento de Percurso – Iniciantes devem evitar lugares de trânsito intenso:

Locais com trânsito intenso necessitam de muita habilidade na direção da moto, se você está começando, opte por vias mais tranquilas, tenha planejamento de percurso e fuja de enrascadas.

Esperamos que estas dicas te auxiliem na adaptação do uso de sua moto e desejamos boa sorte no seu percurso!

Por Beatriz Duarte

Pilotar moto

Foto: Divulgação


Produção nacional de motos teve queda de 25,2% em julho deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado. Já no acumulado do ano, a queda foi de 12%.

Um dos segmentos que mais vinha crescendo nos últimos anos acaba de registrar perdas significativas em sua produção. Trata-se do segmento da produção nacional de motocicletas, haja vista o recuo de 13% no mês de julho e 25,2% quando a comparação é feita com o mesmo mês em 2014. Já quando o assunto é o acumulado de 2015, de janeiro a julho, o resultado também é uma baixa sendo essa de 12% quando comparamos com os sete primeiros meses de 2014.

Vale ressaltar que os dados informados no início desta matéria são números oficiais da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, a Abraciclo. Apenas em julho de 2015 tivemos a produção de 101.721 unidades, sendo que a venda no atacado já soma 752.747 de janeiro a julho de 2015, o que representa uma baixa de 9,3% com o mesmo período em 2014.

Já quando o assunto é a venda no varejo, o resultado também não é agradável: queda de 10,6% no acumulado do ano. Quando a comparação é feita no varejo, houve um crescimento de julho em relação a junho na faixa de 6,6%, porém, o cenário é de queda de 11% quando a comparação é feita com julho de 2014. Portanto, a situação no varejo também não está longe dos resultados negativos do atacado.

Mesmo com os números dos primeiros sete meses de 2015 e o atual cenário econômico brasileiro, o setor como um todo acredita na possibilidade de o mesmo se recuperar nos próximos meses e voltar a crescer.

Segundo Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, vários fatores influenciaram os números negativos dos sete primeiros meses de 2015, dentre os quais: férias coletivas nas fábricas, principalmente aquelas que estão localizadas no Polo Industrial de Manaus; atual cenário econômico do país, onde a inflação cresce juntamente com as taxas de juros; baixa oferta de crédito quando o assunto é a aquisição de veículos em geral; taxa de desemprego crescendo e etc.

Além disso, quando falamos de exportações o cenário também é de recuo, pois as unidades exportadas somam 26.815 de janeiro a julho de 2015, o que representa baixa de 49,3% quando comparamos com o mesmo período em 2014.

Por Bruno Henrique

Produção de motos

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: